Josué - Com o pé na promessa - Análise preliminar Alexandre Milhoranza

Josué – Com o pé na promessa – Análise preliminar

Publicado em Estudos no Antigo Testamento no dia 17 de janeiro de 2011

Introdução

Após 40 anos vagando no deserto os descendentes de Abraão finalmente chegam à terra que Javé prometera. O que Deus havia dito a Abraão no capítulo 15 de Gênesis se cumprira na íntegra!

Aqui começa outra divisão didática da Bíblia Ocidental: os livros históricos. Digo Bíblia Ocidental, pois as divisões na Bíblia hebraica, embora tendo o mesmo conteúdo, são diferentes.

O livro acertadamente recebe o nome de Josué, personagem principal da conquista de Canaã, reconhecidamente um general brilhante nas batalhas, mesmo pelos historiadores mais criteriosos. Porém, devemos entender que o livro não trata sobre os feitos de Josué, mas sim dos atos de Javé no cumprimento de sua promessa ao povo hebreu, conforme Gênesis 12.

Breve tratado sobre a interpretação de livros históricos

O livro de Josué, da mesma maneira que mais de 40% dos livros da Bíblia, é formado de narrativas. Logo, para podemos tirar algum proveito prático deste tipo de literatura bíblica é necessário relembrar alguns conceitos sobre a interpretação de narrativas bíblicas.

Como foi dito anteriormente os livros históricos tratam dos fatos que ocorreram, e o propósito primordial dessas narrativas é nos mostrar como Deus dirigiu a história de forma a cumprir seus desígnios. Ou seja, estas narrativas nos mostram Deus agindo em sua criação, no meio e por meio do seu povo escolhido.

Devemos ter em mente o plano universal de Deus em sua criação, e como este plano se desenrola na chamada teologia da aliança, que foi estabelecida com Noé, Abraão, Moisés e Davi. A partir daí temos os níveis menores de narrativa, onde os episódios narrados em Josué se encontram.

Ao ler as histórias narradas em Josué, tendo estes conceitos em mente, nossa leitura se torna mais madura, e não vamos correr o perigo de alegorizar cada uma das histórias para se encaixar em nossas fantasias pós modernas.

Os detalhes para interpretação das narrativas do AT estão aqui.

Contexto histórico

Em primeiro lugar, não é propósito deste artigo demonstrar as provas da historicidade do livro de Josué. O intuito deste artigo é estudar a teologia por trás dos acontecimentos narrados no livro, e como isso afeta nossa compreensão sobre Javé e sua soberania na história.

Para o nosso estudo neste artigo, tomaremos por base o século 14 a.C., data que a maioria dos estudiosos mais conservadores adotam.

Neste período havia uma lacuna de poder na região da Palestina. Ou seja, nenhum dos 3 impérios de maior expressão havia imposto seu domínio. Nem os egípcios, hititas ou o império Mitani-Hurriano havia conseguido a hegemonia da região, logo o momento estava propício à tomada da terra pelo povo hebreu, pois não havia uma coalisão suficientemente forte para detê-los.

Contexto sócio-religioso

A estrutura social era formada por uma minoria de nobres cananeus que exploravam uma imensa maioria de pobres. Devido a isto os gibeonitas, por exemplo, preferem fazer um acordo com os novos invasores a se manter no jugo exploratório no qual se encontravam.

A cena religiosa era muito variada, mas se baseava em dois conceitos:

  • as forças da natureza eram vistas como expressões dos deuses
  • a prosperidade e o bem-estar dependiam dos rituais apropriados para estas divindades.

Entre os rituais estavam a postituição cultual, que em última análise, apela à depravação moral do homem.

Baal era o deus das chuvas, e, como os cananeus estavam em uma região fértil de Canaã, o israelita comum passou a entender que baal cuidava melhor dos seus adoradores que Javé. Por isso o baalismo sempre foi uma pedra no sapato do monoteísmo ético proposto por Moisés, conforme a revelação que o próprio Deus lhe fizera.

Deixe seu comentário:

  • Alexandre, Paz!

    Muito interessante o seu texto.
    É sempre importante tomar o texto no seu devido contexto, principalmente no AT.

    Aproveitando, gostaria de divulgar meus blogs por aqui e também divulgar o seu. Vc possui algum banner para eu publicar?

    Aguardo sua visita nos endereços:
    Refletindoagraca.blogspot.com
    Impressoesaprendiz.blogspot.com

    Gde Abraço!!

  • Vanir Ivo

    Bom também analisar a partir da perspectiva de quem escreve, no caso em questão é a historiografia deuteronomista. Ela que tem essa visão de benção e maldição.
    Incrível como isso se tornou uma verdade inconteste.

  • Gileno Correia dos Santos. Gil

    Ao povo hebreu foi revelado o verdadeiro nome do criador do céu e da terra IAHUH (IÁ-RRU) e o nome do seu primeiro filho IOHSHUA (IO-CHUA), o Messias e irmão nosso, a nossa Salvação.