Estudo sobre o livro de Malaquias

38 – Malaquias – Um novo recomeço

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 17 de abril de 2014

Malaquias

Introdução ao Livro de Malaquias – Um novo recomeço

 

Sabe-se muito pouco a respeito do profeta Malaquias, pois o livro omite detalhes de sua vida e genealogia tal como Obadias. Talvez o nome Malaquias seja apenas o título do enviado de Javé. No verso 3:1 a mesma palavra Malaquias é usada para descrever a atribuição do profeta e não seu nome. A tradição judaica coloca Malaquias como membro da Grande Sinagoga assim como Ageu e Zacarias. Este conselho foi o responsável por reimplantar e reorganizar a vida social, cultural e religiosa de israel no pós-exílio.

O profeta Malaquias nos ajuda a entender melhor o contexto social e religioso de Judá após o cativeiro babilônico no início do século V a.C. Sua mensagem contra a idolatria (2:10-12), divórcio facilitado (2:13-16) e injustiça social (3:5) nos remetem à mensagem dos profetas pré-exílicos.

Quanto à integridade, o livro nem sempre foi uma obra distinta. Junto com Zacarias 9 a 11 e 12 a 14, Malaquias 1 a 4 fazia parte dos oráculos proféticos anônimos que estavam associados ao trecho de Zacarias 1 a 8. Apenas mais tarde os documentos que continham os trechos de Zacarias 9 a 11 e Zacarias 12 a 14 se fundiram para formar o livro todo do profeta Zacarias e o trecho de Malaquias 1 a 4 resultou em uma obra separada. Os eruditos chegaram a essa conclusão após analisarem a afinidade das introduções destes grandes trechos proféticos no mesmo período histórico.

O estilo literário de Malaquias com suas breves orações e estilo direto parecem sugerir que houve um período de anúncio oral das profecias antes do registro escrito definitivo.

A posição de Malaquias no cânon cristão não corresponde ao período cronológico, pois os livros de Esdras-Neemias, Ester e Crônicas são posteriores. Com relação à data da sua composição podemos afirmar que Malaquias foi redigido em meados da primeira metade do século V a.C por algumas razões:

  • O templo foi reconstruído em 515 a.C. Entretanto, Malaquias denuncia a queda na qualidade do culto que se prestava no templo já reconstruído (Ml. 1:7-14). Portanto, o livro de Malaquias é posterior a 515 a.C.

  • Malaquias cita a questão dos divórcios facilitados (Ml. 2:11). Sabemos que Esdras (458 a.C.) se opôs à prática do divórcio dos judeus para se casarem com mulheres pagãs. Como Malaquias cita este problema, supõe-se que Esdras ainda não havia interferido nessa questão.

O século V a.C. estava sob o domínio persa e o texto de Malaquias reflete essa influência quando ele cita “um livro memorial” (Ml. 3:16 cp. Dn. 7:10 e Dn. 12:1) e a expressão “sol da justiça” (Ml. 4:2). O termo “livro memorial” faz parte do desenvolvimento teológico hebraico sobre a vida após a morte, que ganhou notoriedade com o contato do judaismo com a cultura persa após o cativeiro. A expressão “sol da justiça” remete ao deus sol persa, que simbolizava a proteção e vitória nas batalhas. Ao utilizar este termo, Malaquias quis demonstrar que Javé daria proteção e segurança a todos os que o temessem quando visem o fogo consumidor no dia do Senhor.

A condições mencionadas por Malaquias evidenciam que o retorno do exílio não havia inaugurado a era messiânica. Ageu já havia apontado que o Estado davídico restaurado não havia se concretizado sob a liderança de Zorobabel (Ag. 2:20-23). Por isso o povo havia perdido o ânimo e começaram a questionar o amor e justiça de Deus (Ml. 1:2; 2:17). A crença nas promessas de Deus estava comprometida (Ml. 3:14-15), as leis não eram obedecidas e os mais humildes sofriam opressão (3:5); em contrapartida, os ritos religiosos oficiais eram desrespeitados e desprezados (1:7-14; 3:7-12).

Estrutura de Malaquias

O livro de Malaquias divide-se em argumentos da seguinte maneira:

  • Introdução: O mensageiro (1:1)

  • Primeiro argumento: Javé ama Israel (1:2-5)

    • Pergunta: Como o Senhor nos tem amado?

  • Segundo argumento: A infidelidade dos sacerdotes (1:6 – 2:9)

    • Pergunta: De que maneira desprezamos o seu nome?

  • Terceiro argumento: A repreensão dos infiéis (2:10-16)

    • Pergunta: Por quê?

  • Quarto argumento: A justiça de Javé em seu julgamento (2:17 – 3:5)

    • Pergunta: Onde está o Deus da justiça?

  • Quinto argumento: Arrependam-se (3:6-12)

    • Pergunta: Como voltaremos?

  • Sexto argumento: A justiça de Deus na restauração (3:13 – 4:3)

    • Pergunta: O que temos falado contra ti?

  • Epílogo: Lembrem-se de Moisés e Elias (4:4-6)

O estilo usado por Malaquias difere dos demais profetas, pois, ao invés de utilizar a fórmula tradicional dos profetas, “assim diz o Senhor”, o texto está estruturado com frases diretas em primeira pessoa em seis oráculos com dez perguntas e respostas. O padrão das perguntas e respostas segue o modelo abaixo:

  1. Declaração de uma verdade;

  2. A resposta do público

  3. A tréplica do profeta reafirmando a verdade dita no início

  4. Afirmações finais

Malaquias segue o padrão literário encontrado em pequena escala em outros profetas:

  • Isaias: 40:27-28;

  • Miquéias: 2:6-11;

  • Jeremias: 2:23-25, 29-32; 29:24-32;

  • Ezequiel: 12:21-28

Este modo de expor os oráculos contribuiu para o desenvolvimento do tema da Aliança de Javé com seu povo, criando inclusive o modo como as escolas rabínicas passaram a ensinar seus alunos, chamado método de ensino dialogal que foi também utilizado por Jesus no sermão do Monte (Mt. 5:21-27).

O quadro abaixo mostra o esquema geral dos argumentos apresentados por Malaquias:

Primeiro argumento: 1:1-5

Amor incondicional de Javé por Israel baseado em Deuteronômio 7. Este amor incondicional gerou a eleição de Jacó.

Segundo argumento: 1:6 – 2:9

A falta de amor de Israel por Javé se manifestou na falta de critérios na realização do culto que deveria ser prestado. O padrão deuteronômico (Dt. 14:23; 33:10) para os sacerdotes foi ignorado.

Terceiro argumento: 2:10-16

A quebra do primeiro mandamento manisfestou-se na união com pessoas pagãs e passaram a adorar outros deuses. Essa atitude teve como consequência a quebra do sétimo mandamento ao se divorciarem se suas esposas para aderir ao casamento pagão.

Quarto argumento: 2:17-3:6

De acordo com a visão do povo, Deus não se importava mais com a justiça na terra. Entretanto Deus iniciaria a justiça mandando um mensageiro do fim dos tempos que prepararia o caminho para a vinda de Javé entre seu povo.

Quinto argumento: 3:7-12

A crise era tempo de se apegar ao pouco que tinham. Deus queria ensiná-los a não depender dos poucos recursos materiais, mas queria que o povo se entregasse totalmente a ele.

Sexto argumento: 3:13-15

Qual era a necessidade da adoração a Javé. A confiança em Javé é trocada pela dúvida da existência.

Propósito e conteúdo

Malaquias aborda os seguintes temas:

  • A adoração sincera a Javé

  • Os justos e ímpios serão atingidos pelo Dia do Senhor

  • A fidelidade no casamento

  • O anúncio do Dia do Senhor

  • O divórcio

Malaquias é contundente com relação ao relacionamento entre os hebreus e a Aliança com Javé. Malaquias cita os desdobramentos da aliança ao mencionar a aliança de Levi (1:6 – 2:9), a aliança dos pais, o pacto cerimonial (2:10-16) e o mensageiro da Aliança.

Para Malaquias o arrependimento incluía as seguintes ações práticas:

  • Purificação do sacerdócio corrupto

  • Adoração sincera e não rituais mecânicos

  • Reparação dos excessos nos dízimos e sacrifícios que aconteciam no templo

  • Restauração das famílias

  • Prática da justiça social como um dos fundamentos da Aliança

O precursor

Embora Isaías diga algo a respeito do precursor do Messias(Is. 40:3), a ideia de que Elias seria este precursor é exclusiva de Malaquias (Ml. 4:5). este conceito desenvolveu-se durante todo o período dos macabeus e o Novo Testamento associa Elias com João Batista (Mt. 11:7-15).

Inclusivismo e exclusivismo

Na Bíblia temos livros como Esdras, Neemias, Ageu e Zacarias 1-8 que se colocam contra a inclusão de estrangeiros na comunidade pós exílica. Em contra partida, livros como Malaquias, Isaías 56-66, Rute e Jonas mantém uma postura inclusivista com reação aos estrangeiros na comunidade pós cativeiro.

Conquanto as duas posições estejam em tensão, podemos conciliá-las, pois ambas são palavras de Deus, mas dirigidas a grupos distintos. Quando a Bíblia ordena a exclusão dos estrangeiros, está, na verdade, condenando o sincretismo religioso. Este foi justamente o problema que levou Israel ao exílio, quando permitiu que práticas pagãs de idolatria e injustiça fizessem parte do dia a dia da nação. Era preciso cuidado para que estas práticas não corrompessem novamente a nação que se recuperava do cativeiro.

Por outro lado a Bíblia também ordena que os israelitas recebessem todos os estrangeiros, pois eles mesmos foram estrangeiros em terra estranha. A Bíblia sempre se coloca ao lado dos excluídos e marginalizados que não encontravam amparo nas estruturas de poder e que passaram por algum tipo de injustiça, pois olhariam para Javé na esperança de um futuro melhor (Ml. 1:11, 14; 2:10). É fundamentada na esperança de um mundo melhor que nasce a literatura apocalíptica onde Javé promete restaurar todas as coisas.

 Clique aqui para baixar este post em PDF.

Deixe seu comentário:

  • Christiano Lima

    Texto riquíssimo! Vai me ajudar muito na EBD.
    Parabéns e obrigado.

  • Anynha

    Texto maravilhoso riquíssimo em Detalhes!!! completa o meu resumo que irei apresentar próximo dia 03/10/15 no seminário. obg Parabéns meu amado paz!

  • Gleydcy Rodrigues Pimenta

    estou amando os estudos

  • anderson santos

    a paz seria posivel que está mensagem de Ageu seria terceiro templo sendo quer o primeiro seria o tabernáculo de moises o segundo o templo de salomão e o quarto seria o de Herodias. muito bom o estudo queria tira somente está duvida …

  • Edna Viveiros

    excelente texto !!