Alexandre Milhoranza Teologia com qualidade e vida | Estudos teológicos no Antigo Testamento e Novo Testamento

05 – A ascensão do sacerdote no pós exílio na literatura profética: As visões de Zacarias

Publicado em Os sacerdotes hebreus: do caos ao poder no dia 10 de outubro de 2012

sacerdote no pós exílio

5. A ascensão do sacerdote no pós exílio na literatura profética: As visões de Zacarias

A importância do sacerdote no pós exílio é bastante destacada na literatura profética, e aqui vamos analisar o que o profeta Zacarias disse sobre a mudança do seu papel durante a restauração da sociedade judaica nesta época. Zacarias, em sua quarta visão (Zc. 3) menciona o servo de Javé, também chamado de Renovo, que parece referir-se a Zorobabel, conforme indica o profeta Ageu, contemporâneo de Zacarias (Ag. 2:23) (DOCKERY, 2001, p. 531).

Continue lendo »

04 – O sacerdote no pós exílio

Publicado em Os sacerdotes hebreus: do caos ao poder no dia 9 de outubro de 2012

sacerdotes no pós-exílio

4. O sacerdote no período pós-exílico

Na reorganização da sociedade judaica, a figura do sacerdote no pós-exílio, como vimos, ganha importância religiosa e política. Portanto era necessário organizar este ofício de forma a atender às novas demandas que surgiam. Vaux nos alerta quanto ao uso da expressão “sumo sacerdote”, e nos diz que este termo foi empregado muito raramente antes do exílio, mas, tempos após o retorno babilônico seu uso se tornou mais comum (VAUX, 2004, p. 435).

Continue lendo »

03 – O restabelecimento e ascensão do sacerdócio

Publicado em Os sacerdotes hebreus: do caos ao poder no dia 8 de outubro de 2012

sacerdotes no período pós-exílico

3. O restabelecimento e ascensão do sacerdócio

Antes do cativeiro babilônico, o serviço sacerdotal no período monárquico ficou nas mãos de Zadoque e seus descendentes, conforme nos diz Vaux (VAUX, 2004, p. 411). Inclusive Ezequiel os chama de “filhos de Zadoque”, de acordo com Vaux (VAUX, 2004, p. 423). Esta informação é importante, pois este parece ser o ideal do cronista ao registrar o restabelecimento dos sacerdotes no período pós-exílico (VAUX, 2004, p. 410).

Continue lendo »

020 – Cantares – O amor está no ar

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 3 de outubro de 2012

Cântico dos cânticos

Introdução ao Livro de Cântico dos Cânticos – O amor está no ar

O nome do livro vem da tradução para o latim, a Vulgata. Este livro foi colocado entre os livros de sabedoria pois contém, implicitamente, instruções acerca do relacionamento sexual correto entre homem e mulher . No judaísmo posteiro era lido na páscoa em virtude da alegorização do amor divino por Israel.

Continue lendo »

02 – A crise teológica na religião judaica

Publicado em Os sacerdotes hebreus: do caos ao poder no dia 2 de outubro de 2012

sacerdotes no período pós-exílico

02 – A crise teológica na religião judaica

Após a conquista babilônica de Judá, e a já citada destruição de Jerusalém, uma crise teológica instaurou-se entre os judeus. Tratava-se da promessa do reinado eterno de Davi sobre Jerusalém e a escolha de Javé como sua morada eterna (BRIGHT, 2010, p. 416). Outro fator que solidificou a crise teológica judaica foi o assassinato do sacerdote chefe e o segundo sacerdote, além dos oficiais do Templo de Jerusalém. Este ocorrido está registrado em 2 Rs. 25:18-21 e repetido em Jr. 52:24-27 (VAUX,2004, p. 425).

Continue lendo »

01 – Introdução

Publicado em Os sacerdotes hebreus: do caos ao poder no dia 25 de setembro de 2012

sacerdotes no período pós-exílico

1. Introdução

A devastação de Jerusalém em 586 a.C. pelos babilônios, marcou profundamente o povo hebreu. Jamais a nação de Israel seria a mesma. Com a destruição do Templo, e a deportação de parte da população israelita para a Babilônia, cessou-se a existência do Estado monárquico de Israel e consequentemente o modelo cúltico adotado no período monárquico. Este culto não estava restrito apenas aos eventos culturais, mas abrangia também a vida estatal da nação de Israel. O culto, centralizado no templo de Jerusalém, servia como ponto unificador do povo e sua comunhão com Javé, o Deus dos hebreus (FOHRER, 2008, p. 255).

Continue lendo »

019 – Eclesiastes – Não tá fácil pra ninguém

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 21 de setembro de 2012

Eclesiastes

Introdução ao Livro de Eclesiastes – Não tá fácil pra ninguém

O livro de Eclesiastes, tal como Jó, recusa-se a dar respostas fáceis às questões difíceis da vida. Tal é o pessimismo em suas páginas que muitos estudiosos questionam a ortodoxia do autor e até mesmo a canonicidade do livro.

O nome Eclesiastes vem da tradução para o grego do nome hebraico que consta no primeiro verso do livro: קֹהֶ֣לֶת (qōheleṯ). O nome qōheleṯ vem da raiz da palavra qahal que significa “aquele que convoca uma assembleia” provavelmente com o intuito de pregar para ela, daí algumas traduções deste livro para “O Pregador”.

Continue lendo »

018 – Provérbios – A aliança aplicada no cotidiano

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 13 de setembro de 2012

Provérbios

Introdução ao Livro de Provérbios – A aliança aplicada no cotidiano

O povo hebreu era regido pelo código da Aliança. Embora o livro de Provérbios não cite claramente este tema, isso fica evidente na maneira como o autor aplica os fundamentos da fé em uma grande variedade de situações do dia a dia do israelita. O livro de Provérbios se aplica como um comentário estendido das leis as aliança, cuja ênfase era o amor (Lv. 19:18; Dt. 6:5).

A lei da aliança exigia obediência irrestrita aos seus termos, e Provérbios chama esta obediência de “o temor do Senhor” (Pv. 1:7; 2:5; 9:10). O livro de Provérbios destaca a reverência, a gratidão e o compromisso com Javé nas atitudes corriqueiras do povo hebreu.

Continue lendo »

017 – Salmos – Canta Israel

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 21 de agosto de 2012

Salmos

Introdução ao Livro dos Salmos – Canta Israel

Salmos é um dos livros mais apreciados pelos cristãos. Quem nunca encontrou conforto e consolo em tempos de necessidade em suas páginas? Porém, sua autoria, teologia, interpretação e aplicação são temas que geram muitos debates que o tornam um dos livros mais complexos do cânon.

Com relação à sua composição temos que distinguir dois aspectos:

  • a autoria de um Salmo específico
  • a composição do livro todo

Alguns Salmos parecem ser datados do segundo milênio  a.C. enquanto outros foram produzidos no período pós-exílico. Porém, a composição do livro de modo completo ocorreu apenas no período pós-exílico, isto é, após o ano 539 a.C.

Continue lendo »

016 – Jó – Haja paciência

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 10 de agosto de 2012

Jó

Introdução ao Livro de Jó – Haja paciência.

O livro de Jó, traduz para a vida prática uma das mais antigas perguntas filosóficas da humanidade: Por que sofremos? A busca racional pela compreensão do sofrimento na vida do ser humano não sofreu modificações nos últimos 5 mil anos e, além disso, tem sido um dos pilares sobre os quais os teólogos desenvolvem seus pensamentos.

O livro de Jó modifica a visão que temos da soberania divina, da arrogância humana quando não sabe o quadro completo da situação e da perspectiva bíblica do sofrimento.

Continue lendo »

Página 5 de 18« Primeira...34567...10...Última »